terça-feira, 8 de outubro de 2013

Sete razões para amar o futebol faroês

Achei essa ótima postagem na versão em inglês do site da UEFA. Não sei por que não colocaram na versão em português... Mas eu fiz a tradução!

por Hans Pauli Joensen
de Tórshavn

Com um título que consistentemente muda de mãos, famílias de internacionais e um primeiro ministro ostentando quatro convocações, o UEFA.com destaca sete razões para amar o futebol nas Ilhas Faroe.

Fãs tem muito o que apreciar nas Ilhas Faroe.
Enquanto a Primeira Divisão Faroesa entra na sua reta final da temporada 2013, o UEFA.com escolhe sete razões para amar o futebol em um dos menores países da Europa. O HB Tórshavn está em direção ao seu primeiro campeonato desde 2010, mas a divisão superior faroesa tem muito mais a oferecer com gols em grande quantidade, quatro campeões diferentes em dez anos e um primeiro ministro convocado a nível internacional.

Mantendo-o na família

Não são muitos os times nacionais que incluem um jogador que é a terceira geração de uma família que é convocado pelo seu país. Entretanto, este é o caso do zagueiro de 23 anos Odmar Færø, que fez sua estreia internacional contra a Islândia em 15 de agosto de 2012. Seu pai, que atende pelo mesmo nome, representou as Ilhas Faroe nos anos 1980 e 1990, enquanto nos anos 1960 foi seu avô, também Odmar Færø, quem vestiu a camisa nacional.

Imprevisibilidade

Embora a Primeira Divisão Faroesa não produza o mesmo padrão de futebol que as principais ligas europeias, ainda há muita empolgação com cinco lados diferentes levantando o título nas últimas dez temporadas. Na verdade, o troféu mudou de mãos ao fim de cada uma das últimas três campanhas com HB, B36 Tórshavn e EB/Streymur saindo vitoriosos.

Gols, gols, gols

Todo mundo ama assistir muitos gols e não é diferente nas Ilhas Faroe. Com uma média de mais de três gols por jogo no nível superior há entretenimento considerável.

Cenário de tirar o fôlego

Campo do AB Argir com vista para o mar.
Wembley Stadium, Camp Nou e Fußball Arena München podem ser considerados entre os estádios mais belos do futebol europeu, mas poucos times são capazes de apreciar a paisagem de tirar o fôlego das Ilhas Faroe. A maioria dos jogos da divisão superior ocorrem em meio a um cenário de montanhas, fiordes e o Oceano Atlântico.

Trabalho ético

O ex-treinador nacional Brian Kerr uma vez disse que nunca tinha visto um jogador atuar tão bravamente e dar tanto quanto Fróði Benjaminsen fez em uma partida contra a França. No dia seguinte, Kerr estava em seu caminho para o aeroporto quando ele recebeu um telefonema do presidente da Associação de Futebol das Ilhas Faroe (FSF) que lhe disse que quando chegou em seu escritório às 8h daquela manhã, ele esbarrou com Benjaminsen.

Um carpinteiro de profissão, o defensor foi derrubando os cartazes de publicidade ao redor do estádio. Kerr disse mais tarde: "Eu simplesmente não podia acreditar, mas era verdade, e aquilo diz um pouco sobre a inacreditável atitude de muitos dos jogadores faroeses."

Onde um esporte não é suficiente

Jens Martin Knudsen em seu famoso gorro com pompom
 Em um país com uma população estimada de 49.000 as mesmas pessoas muitas vezes aproveitam o sucesso em diferentes campos. Alguns futebolistas tornaram-se renomados músicos, enquanto o atual Primeiro Ministro Kaj Leo Johannesen foi convocado quatro vezes a nível internacional durante uma curta carreira de goleiro. Outro guardião, Jens Martin Knudsen - o 'goleiro com gorro de pompom' que jogou na famosa vitória contra a Áustria em 1990 - também jogou pela seleção de handebol e venceu vários campeonatos faroeses na ginástica.

Liberdade

Estádio Tórsvøllur em Tórshavn
Estádios não são trancados após os jogos ou sessões de treino, um grande sucesso com os fãs que têm a liberdade de jogar nos campos. Essa liberdade é algo que é particularmente apreciado por Marcin Michalski, um polonês admirador do futebol faroês. "Você pode simplesmente pegar sua bola e jogar sempre que quiser," disse ele. "Marcar de pênalti no famoso Tofta Leikvøllur ou chutar à distância no estádio Gundadalur - eu tentei isso uma centena de vezes!". A atmosfera relaxada é também evidente em cada partida da divisão superior, onde as crianças podem brincar no campo ao intervalo como substitutos fazem seu melhor para aquecer ao redor deles.

Permanecendo com os pés no chão

EB/Streymur jogou aqui até 2006
Mesmo os melhores jogadores permanecem com os pés no chão. Se eles marcaram o gol da vitória no fim de semana, então eles têm que voltar ao seu trabalho normal na manhã de segunda - o chefe de um jogador pode ser o torcedor que o aplaudiu no jogo anterior. "Não há quase nenhum estrelato nas Ilhas Faroe," disse o francês Clément Blaizot, um acompanhador do futebol faroês. "A qualquer momento Símun Samuelsen ou Hallur Hansson podem andar nas ruas de Tórshavn sem um guarda-costas, e você pode falar com eles."

Leia a versão original no site da UEFA

Nenhum comentário:

Postar um comentário